PAULO FREIRE NOS ESTUDOS DE MÍDIA E COMUNICAÇÃO

Paulo Freire é um dos intelectuais brasileiros e latino-americanos mais influentes do século XX. Seu trabalho alcançou significativo impacto global, com posições de liderança em rankings e homenagens internacionais. Existem centros de pesquisa com o seu nome na Finlândia, África do Sul, Áustria, Alemanha, Holanda, Portugal, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá. Entre os brasileiros, ele tem o maior número de títulos de Doutor Honoris Causa: pelo menos 35 títulos, incluindo universidades no Brasil e no exterior (entre elas: Genebra, Bolonha, Estocolmo, Massachusetts, Illinois e Lisboa). (Veiga, 2019)

Em 2016, o livro Pedagogia do Oprimido foi o único livro de autoria brasileira a figurar entre as 100 obras mais citadas recomendadas em currículos de universidades de língua inglesa, segundo o Open Syllabus. Obteve o 99º lugar na lista geral e o 2º lugar quando se trata apenas de programas da área da educação (G1, 2016). Este mesmo livro foi identificado como o terceiro livro mais citado em trabalhos acadêmicos na área de Ciências Sociais, segundo estatísticas do Google Scholar (Green, 2016).

Embora o trabalho de Freire se concentrasse principalmente no campo da educação, ele inspirou – e continua a inspirar – gerações de estudiosos e profissionais da comunicação, movimentos sociais e outros atores políticos. De fato, Peruzzo (2020) afirma que, mais do que pedagógica, a visão de Freire é de comunicação. Como ela afirma, a comunicação está profundamente inscrita em seu modelo de ensino e aprendizagem. É parte integrante de uma troca permanente entre professores e alunos, tão intensa que os coloca em posições intercambiáveis ​​como iguais portadores de uma diversidade de saberes. Como afirma Freire, “[e]ducador-educando e educando-educador, no processo educativo libertador, são ambos sujeitos cognoscentes diante dos objetos cognoscíveis, que os mediatizam” (Freire, 2013, p. 69). Nesse sentido, Waisbord (2020) sintetiza que, para Freire, “comunicação é como aprendemos a ser humanos” e destaca como seu trabalho apresenta diversas características que configuram um “projeto de comunicação democrática”.

No campo da comunicação e mudança social, a influência de Freire foi documentada na grande coleção editada de Gumucio-Dagron e Tufte, Communication for Social Change Anthology: Historical and Contemporary Readings (2006). De 2004 a 2006, eles realizaram uma convocação global para identificar textos seminais na história de 50 anos do campo da comunicação para a mudança social. Seguindo um processo consultivo global abrangente e um processo editorial muito participativo, envolvendo 10 especialistas mundiais, 200 textos (de citações e trechos a artigos completos) foram selecionados como seminais para o campo. 40% eram textos da América Latina, e a maioria tinha referências explícitas a Freire. Alguns textos da Ásia, África e Estados Unidos também fazem referência explícita a ele. Ficou evidente que seu pensamento tinha influência global.

Para Freire, o principal objetivo de qualquer processo educacional é a libertação do ser humano, com atenção especial aos oprimidos. Esse objetivo libertador é alcançado quando educador(es) e aluno(s) alcançam a comunhão e nomeiam o mundo juntos (Freire, 2013, p. 83), o que não poderia ser mais que uma epistemologia da comunicação. No cerne da abordagem freiriana da educação está o diálogo, que é crucial para visualizar sua relação com as teorias e práticas de comunicação. O diálogo, para Freire, é mais do que uma abordagem relacional; é o principal requisito para que os indivíduos se tornem sujeitos históricos. O ser humano deixa de ser objeto e passa a ser sujeito quando não apenas lê o mundo, mas o (re)escreve (Freire, 2017). Inclusão envolve a habilidade de se explicar e explicar o mundo.

Extraído de:

Tufte, T., Jiménez-Martinez & Suzina, A.C. (2020). De-constructing participatory communication and civil society development in 2020: a perspective inspired by Paulo Freire. Commons. Revista de Comunicación y Ciudadanía Digital, 9(2), 48-78.

Suzina, A.C. &Tufte, T. (2020). Freire’s vision of development and social change – past experiences, present challenges and perspectives for the future. International Communication Gazette, 82: 5, August, 411-424